+51-984654421

E-mail: atendimento@perugrandtravel.com

pgrandtravel

Atendimento 24 horas

Top

Mal de altitude e cuidados de saúde em Machu Picchu

Mal de altitude em Machu Picchu. Estar diante desta maravilha é contemplar um dos lugares mais incríveis do mundo, construído há mais de 500 anos. É um lugar que deixa todas as pessoas que o conhece sem fôlego por sua majestosidade ou pela maravilha do entorno natural onde foi construída ou por sua complexidade ou história. Não se deixe ficar sem fôlego por sua altitude.

A falta de ar faz com que turistas e visitantes que não estão acostumados à altura tenham problemas respiratórios e padeçam dos sintomas do mal de altitude que provoca incômodos, impedindo-o de aproveitar sua viagem ao máximo.

O que é o mal de altitude?

Também conhecido como mal agudo de altitude; em Cusco, como “soroche”. Resulta da falta de oxigênio em altitudes acima dos 2400m, onde o ar é mais rarefeito, com menos pressão. Enquanto a porcentagem de oxigênio é a mesma, o ar é menos denso por isso que a cada respiração inala-se menos oxigênio do que se está acostumado. Ocorre habitualmente em pessoas não aclimatadas que sobem acima dos 2000m. em menos de 1ou 2 dias.

Sintomas do mal de altitude

  • Cefaléia (dor de cabeça).
  • Náuseas e vômitos.
  • Anorexia (falta de apetite).
  • Esgotamento físico.
  • Diarréia ou prisão de ventre
  • Taquicardia
  • Dificuldade de respiração
  • Transtornos do sono, podendo ser sonolência ou insônia.

Prevenção do Mal de Altitude. Aclimatação

A preparação física, por melhor que seja não previne o mal de altitude. Na verdade não há uma cura que não seja descendo novamente a uma altitude normal (abaixo dos 2430m.s.n.m). Não é recomendado o emprego de medicamentos para previni-lo e sim adaptar-se progressivamente. Um esquema típico de aclimatação é o seguinte:

Passar ao menos duas noites entre os 2500 e 3000 m.s.n.m.

Respirar profundamente. Seu corpo está tentando obter o oxigênio necessário, mas há menos dele disponível a cada inspiração. Por isso inspire profundamente para obter mais ar.

Evite ingerir álcool. Alguns estudos mostram que os efeitos do álcool são potencializados em grandes altitudes.

Beba muita água. Isto não alivia exatamente o mal de altitude, mas às vezes é difícil saber a diferença entre ele e a desidratação e as elevações.

Aclimate-se a uma altitude inferior e suba lentamente. Muitas pessoas recomendam que logo ao descer do avião você pegue um táxi ou ônibus até o Vale Sagrado, a uma hora de Cusco, onde se desce uns 600 m. Isto lhe permite aclimatar-se a uma menor altitude e assim ir para Cusco quando o corpo estiver mais acostumado com uma maior altitude. A outra opção é fazer uma viagem de ônibus de 20h de Lima a Cusco. Algumas pessoas pensam que é a melhor opção já que lhe permite subir lentamente e também é provável que permita uma aclimatação progressiva. A rota possui muitas curvas e montanhas e provavelmente você poderá se sentir mal se tiver propensão a enjoar devido ao movimento.

É necessário manter uma dieta leve e altamente energética rica em carboidratos, sem gordura, em pequenas porções e várias vezes ao dia. Evite comer comidas pesadas.

Recomenda-se tomar chá de coca bem forte e quente, com umas gotas de limão. Caso tenha à disposição balas de folha de coca também é recomendável.

Tome sempre uma xícara de chá quente com limão após as refeições. À noite é mais apropriado um chá de camomila ou anis.

O chá de coca, assim como as balas, bolachas e chocolates feitos com folhas de coca são muito úteis durante o dia. Evite ingeri-los antes de dormir.

comentários

comentários